Repositório Digital

A- A A+

Fragilidade em idosos : uma revisão integrativa

.

Fragilidade em idosos : uma revisão integrativa

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Fragilidade em idosos : uma revisão integrativa
Autor Bandeira, Isabela Cristina
Orientador Crossetti, Maria da Graça Oliveira
Data 2010
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Curso de Enfermagem.
Assunto Envelhecimento
Idoso fragilizado
Saúde do idoso
Resumo Trata-se de uma revisão integrativa de pesquisa baseada em Cooper (1982), definida como um método que agrupa os resultados obtidos de pesquisas sobre o mesmo assunto. Objetivou-se caracterizar as definições de fragilidade no idoso e identificar os fatores biológicos, psicológicos e sociais da fragilidade. Na busca aos artigos, 102 fizeram parte da população, sendo que após a aplicação dos critérios de inclusão a amostra foi de 57 artigos para análise. No que se refere à definição de fragilidade desvelou-se na síntese e comparação das produções que: 1º) É considerada uma Síndrome, composta por sinais e sintomas físicos, psicológicos, sociais (19 autores, 33,3%); 2º) É um estado dinâmico que aumenta o risco de ocorrer o aparecimento de comorbidades (oito autores, 14%); 3º) É um marcador de vulnerabilidade estando correlacionados, porém possuem definições distintas (sete autores, 12,3%); 4º) A fragilidade é considerada quando uma pessoa mais velha não consegue realizar AVD, AIVD (seis autores, 10,5%); 5º) É identificada com o aumento da idade junto com o processo de envelhecimento (cinco autores, 8,8%); 6º) É um processo onde se pode atuar na prevenção e tratamento; 7º) É associada com uma combinação de deficiência fisiológica e imunológica do organismo (quatro autores, 7%) 8º) Não possui etiologia definida, sendo ainda um conceito pouco compreendido (quatro autores, 7%). No que se refere ao aspecto dos fatores: A) Biológicos: alterações fisiológicas, imunológicas, hormonais, cognitivas, redução da massa muscular, agressores, auto relato de exaustão, lentidão, perda de peso, baixa atividade física, comorbidades, sexo feminino, idade avançada, hospitalizações, síndromes geriátricas, diminuição da qualidade de vida e saúde, diálise (39 autores, 68,4%). B) Psicológicos: Distúrbios de humor, dificuldade de enfrentamento, pessimismo, medo, má avaliação da saúde, insatisfação e déficit psicológico (11 autores, 19,3%). C) Sociais: Baixa rede de apoio social, baixa escolaridade, ser mulher, isolamento, eventos do curso da vida, redução das taxas de institucionalização (dez autores, 17,5%). D) Ambientais: diferenças entre países, espaço de vida reduzido, morar na área rural (três autores, 5,3%). Com este estudo constata-se que o tema é relevante, porém ainda há necessidade de maior conhecimento dos profissionais, principalmente de enfermagem para proporcionar aos idosos um cuidado qualificado e maior qualidade de vida.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/28050
Arquivos Descrição Formato
000769022.pdf (993.9Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.