Repositório Digital

A- A A+

Determinação da variabilidade genotípica entre isolados de Microsporum canis

.

Determinação da variabilidade genotípica entre isolados de Microsporum canis

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Determinação da variabilidade genotípica entre isolados de Microsporum canis
Autor Costa, Fernanda Vieira Amorim da
Orientador Ferreiro, Laerte
Co-orientador Silva, Sergio Ceroni da
Data 2010
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Veterinária. Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias.
Assunto Dermatofitoses
Fungos
Microsporum canis
Resumo Microsporum canis é um dermatófito zoofílico e o fungo mais frequentemente isolado de cães e gatos, de crianças com tinea capitis e de adultos com tinea corporis. Ainda não se conhece as possíveis variáveis envolvidas no estabelecimento de infecções clínicas ou subclínicas em cães e gatos, assim como os fatores envolvidos na transmissão de M. canis para os seres humanos. Diversas técnicas de biologia molecular falharam em demonstrar variabilidade genética entre diferentes linhagens de M. canis, porém, estudos recentes indicam que a utilização de primers mais discriminatórios, como os marcadores microsatélites, possibilite a detecção de diferentes genótipos de M. canis. Os objetivos deste trabalho de pesquisa foram: identificar e comparar o genótipo de M. canis isolados de cães e gatos sintomáticos e assintomáticos e de seres humanos utilizando marcadores microssatélites e investigar uma possível correlação entre as características genotípicas e dados epidemiológicos de M. canis isolados de cães, gatos e seres humanos. Foram incluídos no estudo isolados de 102 cães e gatos sintomáticos e assintomáticos e de pacientes humanos com tinea nos quais se isolou o M. canis durante os anos de 2006 a 2010. Essas amostras foram provenientes de Curitiba, Porto Alegre, Florianópolis e Cuiabá. Dentre elas, 37 eram de gatos sintomáticos, 35 de gatos assintomáticos, 19 de pacientes humanos sintomáticos, 9 de cães assintomáticos e 2 de cães sintomáticos. A amplificação da região de microsatélites do DNA foi realizada utilizando dois primers, McGT13 e McGT17, a qual possibilitou a formação de grupos de acordo com o grau de similaridade genética baseada no número de repetições nessas duas regiões do DNA do M. canis. Os loci Mc(GT)13 e Mc(GT)17 revelaram 3 e 6 alelos, variando de 2 e 5 repetições de dinucleotídeos dentro de cada locus, respectivamente. Dos 14 genótipos e 5 grandes grupos formados após análise da árvore filogenética gerada pelo método Dc, 1 foi compartilhado por 26 isolados, outro por 21, um por 12 isolados e outros dois com 11 isolados cada um. Outros dois pequenos grupos foram formados com 7 e 5 isolados cada. Os marcadores microssatélites possibilitaram a identificação, o estudo filogenético e a comparação dos isolados de M. canis oriundos de gatos, cães e pacientes humanos incluídos no estudo. Apesar da formação de grupos geneticamente relacionados, não houve correlação entre as linhagens e os dados epidemiológicos analisados entre as isolados, incluindo fonte, sintomatologia, quadro clínico, raça, idade, sexo, moradia e localização geográfica.
Abstract Microsporum canis is a zoophilic dermatophyte and the most commonly isolated fungi from dogs, cats, children with tinea capitis and adults with tinea corporis. There are unknown variables in establishment of clinical or subclinical infection in dogs and cats and also in M. canis transmission to humans. Several molecular techniques failed to show genetic variability between different strains of M. canis, but recent studies indicate that the use of more discriminatories primers, as microsatellite markers, may detect different genotypes of this dermatophyte. This study has as objectives to identify and compare M. canis strains genotype isolated from symptomatic and asymptomatic dogs and cats and from people with dermatophytosis using microsatellite technique and to investigate a possible correlation between epidemiologic data and genotypic characteristics of M. canis isolated from dogs, cats and people. One hundred and two strains of M. canis isolated from symptomatic and asymptomatic dogs and cats and people with tinea between 2006 and 2010 were included in this study. These strains were from Curitiba, Porto Alegre, Florianópolis and Cuiaba. Among them, 37 were from symptomatic cats, 35 from asymptomatic cats, 19 from people with tinea, 9 from asymptomatic dogs and 2 from symptomatic dogs. Amplification of microsatellite DNA region was performed using two primers, McGT13 e McGT17, which allowed the formation of groups according to the degree of genetic similarity based on the amount of repetition in these two regions of M. canis DNA. Loci Mc(GT)13 e Mc(GT)17 revealed 3 and 6 alleles, varying between 2 and 5 dinucleotide repeats within each locus, respectively. Of the 14 genotypes and 5 major groups formed after phylogenetic tree analysis generated by DC method, 1 was shared by 26 strains, the other by 21, one by 12 strains and another two with 11 strains each. Microsatellite markers allowed identification, phylogenetic analysis and comparison of M. canis strains isolated from cats, dogs and people included in this study. Despite the formation of genetically related groups, there was no correlation between the lineage and epidemiologic characteristics, including source, symptoms, clinical picture, breed, age, sex, housing and geographical location.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/31757
Arquivos Descrição Formato
000785042.pdf (1.787Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.