Repositório Digital

A- A A+

Capacidade e intensidade de rebrote de plântulas Araucaria angustifolia (Pinheiro Brasileiro)

.

Capacidade e intensidade de rebrote de plântulas Araucaria angustifolia (Pinheiro Brasileiro)

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Capacidade e intensidade de rebrote de plântulas Araucaria angustifolia (Pinheiro Brasileiro)
Autor Alabarce, Fernanda da Silva
Orientador Dillenburg, Lucia Rebello
Data 2010
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Biociências. Curso de Ciências Biológicas: Bacharelado.
Assunto Araucaria angustifolia
Germinação
Resumo Araucaria angustifolia é uma gimnosperma nativa do Brasil, conhecida popularmente como pinheiro brasileiro e ocorre tanto em florestas quanto em campo aberto. Essas áreas estão ameaçadas pela crescente expansão das fronteiras agrícolas. O pinheiro brasileiro apresenta o rebrote como uma estratégia para se manter em seu ambiente natural. Muitas espécies vegetais têm a capacidade de responder a danos infligidos à parte aérea produzindo rebrotes ao longo do tronco ou da raiz. Revisões recentes mostram um crescente interesse pelo papel do rebrote como forma de persistência da diversidade nos ecossistemas e, desta forma, os rebrotes têm importante papel na manutenção da estrutura florística das comunidades vegetais após perturbações. Além de fatores ambientais, um rebrote bem sucedido também depende de fatores internos como os recursos armazenados na plântula e a atividade meristemática. Este estudo visa investigar a capacidade de rebrote de Araucaria angustifolia e testar a hipótese de que quanto mais tempo a plântula mantiver seu vínculo com a semente, maior será a capacidade de rebrotar e maior será o vigor dos rebrotes. Para tanto, foi conduzido um experimento em casa de vegetação, onde as plantas foram separadas em três tratamentos: Controle (sem interferências), D (somente dano à parte aérea) e DP (com dano à parte aérea e perda do vínculo com o pinhão). Através de avaliações e desmontes periódicos foram quantificados o número e tamanho dos rebrotes e o acúmulo e repartição de massa em diferentes partes da plântula (pinhão, parte aérea, raízes e hipocótilo). Os dados dos rebrotes e da massa seca foram avaliados através de ANOVA, seguida do teste DMS de separação de médias. Os resultados mostraram que as plântulas são capazes de rebrotar a partir de meristemas axilares existentes no caule depois de perturbação ocorrida na parte aérea, independentemente do vigor da plântula. Porém, a intensidade dos rebrotes foi maior nas plântulas com mais vigor. As plântulas com maior vigor utilizaram as reservas contidas no pinhão e as plântulas de menor vigor utilizaram as reservas do hipocótilo para rebrotarem. Estes dados corroboram a idéia de que tanto a semente quanto o hipocótilo são importantes órgãos de armazenamento de reservas em A. angustifolia. Este estudo reforça o conhecimento acerca da capacidade que esta espécie possui em se restabelecer em ambientes perturbados no seu período inicial de vida.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/34775
Arquivos Descrição Formato
000781788.pdf (324.8Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.