Repositório Digital

A- A A+

Diagnóstico molecular de doença de Fabry em amostras de sangue

.

Diagnóstico molecular de doença de Fabry em amostras de sangue

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Diagnóstico molecular de doença de Fabry em amostras de sangue
Autor Pasqualim, Gabriela
Orientador Giugliani, Roberto
Co-orientador Matte, Ursula da Silveira
Data 2010
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Biociências. Curso de Ciências Biológicas: Ênfase Molecular, Celular e Funcional: Bacharelado.
Assunto Diagnóstico
Doença de Fabry
Genetica medica
Resumo A Doença de Fabry (DF) é uma doença lisossômica de depósito ligada ao cromossomo X. É causada pela deficiência da enzima -Galactosidase A, codificada pelo gene GLA localizado na região Xq21.33-Xq22. A progressão da doença leva a danos vasculares, renais e em diversos outros tecidos. Os pacientes podem apresentar a forma clássica ou as variantes renal, cardíaca e neurológica. Homens afetados geralmente apresentam atividade muito reduzida da enzima. Entretanto, devido à inativação aleatória do X, mulheres portadoras apresentam uma grande variabilidade na expressão clínica, podendo ser assintomáticas ou apresentar formas moderadas ou graves da doença. Logo, o diagnóstico bioquímico de mulheres é, na maioria das vezes, inconclusivo. Portanto, o diagnóstico molecular é fundamental para tratamento e aconselhamento genético. A DF apresenta alta heterogeneidade alélica e a maioria das mutações é privada. O objetivo principal desse estudo foi analisar o gene GLA em 301 amostras de pacientes latinoamericanos, originárias do Brasil (n=277), México (n=14) e Colômbia (n=10). Em 51 pacientes foram encontrados quatro polimorfismos não patogênicos: c.-12G>A (n=13), c.370-77_81delCAGCC (n=10), c.-10C>T (n=6) e p.A292D (n=3). Associações entre eles também foram encontradas; sendo a mais comum c.-10C>T em combinação com c.370-77_81delCAGCC (n=9). Ao total foram diagnosticados 50 pacientes com 12 mutações patogênicas já descritas: c.30-32delG, c.195-1G>C, p.R112S, p.R118C, p.M187T, p.C202Y, c.718_719delAA, p.V269M, p.D313Y, p.R342Q , p.R356W e p.R342X. Em 14 pacientes de uma família brasileira, foi encontrada a mutação nova c.467C>A (p.A156D), predita como possivelmente patogênica. A atividade enzimática em heterozigotas dessa família ficou abaixo do normal em plasma e muito abaixo do normal em leucócitos. Comparando-se a sensibilidade e especificidade do diagnóstico bioquímico em papel filtro de mulheres (n=70, 15 heterozigotas), leucócitos e plasma (n=19, 11 heterozigotas) com a Curva ROC, atividade em plasma se mostrou muito mais eficiente, com valores de 91% e 100%, respectivamente. Esse ensaio também foi o único que se mostrou capaz de não gerar falso-positivos e gerou apenas 27% de falso-negativos.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/35312
Arquivos Descrição Formato
000781785.pdf (494.2Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.