Repositório Digital

A- A A+

A palavra-na-vida : a poesia polifônica em Drummond

.

A palavra-na-vida : a poesia polifônica em Drummond

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A palavra-na-vida : a poesia polifônica em Drummond
Autor Zonin, Carina Dartora
Orientador Silva, Márcia Ivana de Lima e
Data 2011
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. Programa de Pós-Graduação em Letras.
Assunto Andrade, Carlos Drummond de, 1902-1987
Dialogia
Discurso poético
Literatura brasileira
Poesia
Polifonia
Teoria literária
[en] Bakhtin
[en] Dialogism
[en] Drummond
[en] Poetic discourse
[en] Polyphony
Resumo Aos incontestáveis revolucionários, o inevitável risco de viver para sempre, imortalizados na memória, no pensamento e na voz do outro. Neste estudo, regressa ao campo estético-literário a vitalidade dos pressupostos teóricos de Mikhail Bakhtin, uma vez inovadores no romance, agora, também, excêntricos na poesia. Imbuídos dessa perspectiva, de tendência evolutiva e renovadora, inicialmente, ouviremos, na voz de poetas e críticos consagrados, dentre eles, Mário de Andrade e o próprio Carlos Drummond de Andrade, prerrogativas em torno do fazer poético. Em seguida, através de uma releitura dos princípios bakhtinianos, da dialogia, da polifonia e dos gêneros discursivos, observaremos a estreita correlação destes com a renovação formal deflagrada pelos modernos, sobretudo, a percepção de características comuns que promovam, enfim, o feliz encontro entre a prosa e a poesia. Só, então, partiremos para a escuta polifônica, em poesias representativas, dos tipos de vozes sociais, a saber, a do otimista, a do incrédulo e a do oprimido, em A rosa do povo (1945), momento de auge do ativismo artístico, engajado e participante. Ao final, realçaremos nas rotas fundadoras de um novo gênero, eminentemente, polifônico, a ressonância lírica da multidão que fala, clama e protesta: a voz poética drummondiana, na vida, submersa.
Abstract The undisputed revolutionary, the inevitable risk of living forever immortalized in the memory, thought and voice on the other. In this study, return to the aesthetic and literary vitality of the theoretical assumptions of Mikhail Bakhtin, the novel once innovative, now also eccentric poetry. Imbued with this perspective, the evolutionary trend and refreshing at first listen, the voice of poets and critics recognized, among them, Mario de Andrade and Carlos Drummond de Andrade himself, prerogatives around the poetic. Then, through a rereading of bakhtinianos principles of dialogism, polyphony and genres, observe the close correlation of these with the formal renewal initiated by the modern, especially the perception of common features that promote, finally, the happy meeting between prose and poetry. Only then will depart for listening to polyphonic in poetry representative of the types of social voices, namely, the optimistic, the unbeliever and the oppressed, in A rosa do povo (1945), time to peak of artistic activity, engaged and participating. In the end, the routes will highlight the founding of a new genus, eminently, polyphonic, lyrical resonance that speaks of the crowd, cries and protests, the poetic voice drummondiana in life submerged.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/36983
Arquivos Descrição Formato
000818398.pdf (1.150Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.