Repositório Digital

A- A A+

A monotongação do ditongo decrescente /ej/ em amostra de recontato de Porto Alegre

.

A monotongação do ditongo decrescente /ej/ em amostra de recontato de Porto Alegre

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A monotongação do ditongo decrescente /ej/ em amostra de recontato de Porto Alegre
Autor Toledo, Eduardo Elisalde
Orientador Monaretto, Valeria Neto de Oliveira
Data 2011
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. Programa de Pós-Graduação em Letras.
Assunto Análise lingüística
Ditongo
Estudos da linguagem
Fonética
Fonologia
Língua portuguesa (Brasil)
Monotongação
Morfologia
Porto Alegre (RS)
Variação lingüística
Resumo No Português Brasileiro, os ditongos orais decrescentes [ej], [aj] e [ow] podem sofrer a aplicação de uma regra variável de apagamento do glide palatal [j] ou velar [w], como em peixe~pexe, caixa~caxa e ouro~oro. Em nosso estudo, descrevemos a alternância variável de [ej] e [e] na comunidade de fala de Porto Alegre, RS. Procedemos, primeiramente, à análise comparativa dos trabalhos de Cabreira (1996) e Amaral (2005), que tratam desse fenômeno variável em comunidades de fala do Rio Grande do Sul. A partir dessa análise, vimos que os estudos de Cabreira e Amaral convergem, nos fatores linguísticos, no que diz respeito ao papel do Contexto Seguinte, fricativa palatal e tepe, e à Morfologia do Ditongo, base da palavra; quanto aos fatores sociais, os resultados divergem absolutamente. As convergências confirmam resultados apresentados em outras pesquisas que analisaram diferentes regiões do País; as divergências podem refletir o papel social das comunidades. Nossa pesquisa busca descrever o ditongo [ej] do ponto de vista da Teoria da Variação e da Teoria Fonológica. Para isso, em primeiro lugar, selecionamos uma amostra de 14 informantes da cidade de Porto Alegre (RS) do banco de dados do Projeto NURC (Projeto de Estudo da Norma Lingüística Urbana Culta), entrevistados nos anos 1970 e recontatados no final dos anos 1990 pelo Projeto VARSUL (Variação Lingüística Urbana do Sul do País), totalizando, assim, 28 entrevistas. Procedemos à coleta e codificação de 1791 dados, com base nos seguintes fatores linguísticos e sociais: Contexto Fonológico Seguinte (fricativa, alveolar, tepe, nasal, vogal, labial e pausa); Tonicidade (tônico e átono); Natureza Morfológica (radical e sufixo) e Classe de Palavra (verbo e nãoverbo); Faixa Etária (20-29, 30-39, 40-49 e mais de 50 anos); e Sexo. Os dados codificados foram submetidos ao programa de análise estatística GoldVarb 3.0. Nossos resultados apontam o Contexto Fonológico Seguinte (fricativa palatal e tepe) como principal influência para a redução dos ditongos, seguido dos grupos de fatores lingüísticos Natureza Morfológica (radical) e Classe de Palavra (não verbos); os fatores sociais Faixa Etária e Sexo não foram selecionados pelo programa estatístico como relevantes para a aplicação da regra variável. Nossa análise em tempo real dos resultados, visando à observação do comportamento da variável em termos de contemporização ou mudança em progresso (cf. LABOV, 2008), identificou a monotongação de [ej] como um fenômeno estável de variação.
Abstract In Brazilian Portuguese oral falling diphthongs, the glides [j] and [w] may be deleted according to a variable rule , as in peixe~ pexe, caixa~caxa and ouro~oro. In our study, we describe the variable switching between [ej] and [e] in the speech community of Porto Alegre, RS. We proceed, first, to the comparative analysis of the papers of Cabreira (1996) and Amaral (2005), dealing with this variable phenomenon in Rio Grande do Sul. From this analysis, we found that Cabrera and Amaral studies converge on linguistic factors, with the regard to the role of the Following Context, palatal fricative and tap, and to the Morphology of Diphthongs, base words; in relation to the social factors, the results differ absolutely. The convergences confirm results presented in other studies that examined different regions of the country; the differences may reflect the social role of communities. Our paper seeks to describe the diphthong [ej] from the point of view of the Theory of Variation and the Phonological Theory. To do this, first, we select a sample of 14 informants in the city of Porto Alegre (RS), from the NURC Project database, interviewed in the 1970s and recontacted in the late 1990 by VARSUL Project, thus totalizing 28 interviews. We proceed to the collection and coding of 1791 data, based on the following linguistic and the social factors: Following Phonological Context (fricative, alveolar, tap, nasal, vowel, labial and pause); Stress (stressed and unstressed), Morphology (stem and suffix ) and Word Class (non-verb and verb), Age (20-29, 30-39, 40-49 and over 50 years) and Sex. The coded data were submitted to statistical analysis program GoldVarb 3.0. Our results show the Following Phonological Context (tepe and palatal fricative) as the main influence on the monophthongization, followed by the linguistic group factors Morphology (stem) and word class (non-verb), the social factors age and gender were not selected as relevant by the statistical program for the application of the variable rule. In order to observe the behavior of the variable in terms of stability or change in progress (LABOV, 1994), our real-time analysis of the results identified the monophthongization of [ej] as a stable phenomenon of variation.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/39409
Arquivos Descrição Formato
000824264.pdf (833.7Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.