Repositório Digital

A- A A+

Identificação e descrição dos achados histológicos não-neoplásicos do parênquima renal em espécimes de nefrectomia por neoplasias renais primárias

.

Identificação e descrição dos achados histológicos não-neoplásicos do parênquima renal em espécimes de nefrectomia por neoplasias renais primárias

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Identificação e descrição dos achados histológicos não-neoplásicos do parênquima renal em espécimes de nefrectomia por neoplasias renais primárias
Autor Fiss, Daniela Vasques da Conceição
Orientador Edelweiss, Maria Isabel Albano
Data 2012
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas.
Assunto Nefrectomia
Neoplasias renais
Rim : Patologia
[en] Chronic renal disease
[en] Kidney neoplasms
[en] Nephrectomy
[en] Non-neoplastic findings
Resumo Introdução: Nefrectomia radical tem sido o tratamento mais utilizado para o carcinoma de células renais. Atualmente, a preservação da função renal do paciente após a cirurgia tem sido um fator de preocupação, já que a sobrevida desses pacientes vem aumentando, assim como a detecção de lesões pequenas, incidentais e assintomáticas. Vários estudos tentam identificar fatores preditores da função renal pós-operatória, no entanto poucos avaliam os achados não-neoplásicos do parênquima renal. Objetivos: O estudo tem como objetivos: 1) descrever as alterações nãoneoplásicas do parênquima renal encontradas nos espécimes de nefrectomia; 2) correlacionar os achados com a função renal pós-operatória dos pacientes e 3) correlacionar essas alterações com o laudo anatomopatológico original. Materiais e métodos: Foram revisados 262 exames anatomopatológicos de espécimes de nefrectomias realizadas em pacientes adultos por neoplasias primárias renais no Hospital de Clínicas de Porto Alegre durante o período de 2005 a 2009. O laudo anatomopatológico e o prontuário eletrônico desses pacientes foram revisados de forma cegada. Um patologista renal realizou a revisão de todas lâminas histopatológicas do estudo. Posteriormente, nos pacientes com dados clínicos e laboratoriais disponíveis, foram correlacionadas as alterações encontradas com a variação da função renal dos mesmos (creatinina sérica e o cálculo da fórmula de Cockroft-Gault, antes e cerca de seis meses após a cirurgia). Resultados: Na amostra inicial, houve uma predominância de pacientes masculinos (57,6%), de raça branca (88%), com uma idade média de 60 anos. Cerca de 76% foram submetidos a nefrectomias radicais e 70% dos pacientes apresentavam estágio tumoral T1 e T2, sendo o tamanho tumoral médio de 6,0 cm e o tipo histológico mais frequente o de células claras (67%). Hipertensão, tabagismo, diabetes melitus e obesidade foram encontrados em, respectivamente, 53%, 32%, 19% e 9% dos pacientes. Apenas 10% dos casos cujas lâminas foram revisadas não apresentavam alterações parenquimatosas. As alterações vasculares foram as mais frequentes, e destas a aterosclerose a mais comum. Esclerose diabética estava presente em quatro pacientes. As variações das estimativas da função renal entre o período pré e pós-operatório não apresentaram diferença significativa entre os grupos de pacientes com e sem alterações parenquimatosas. Foi encontrada diferença significativa entre os valores da creatinina pré e pós-operatória em ambos os grupos e dos valores da fórmula de Cockroft-Gault no grupo com alterações (p<0,001). Em apenas 50 laudos anatomopatológicos originais, haviam sido descritas alterações parenquimatosas. Conclusões: O estudo mostrou que os patologistas gerais se mostram despreparados ou não conscientes acerca da recente inclusão da descrição dos achados não-neoplásicos nos checklists dos laudos anatomopatológicos de neoplasia renais primárias, portanto acreditamos que a mesma deva ser encorajada. Além disso, investigações futuras prospectivas que acompanhem os pacientes por um longo período e utilizem formas mais acuradas de estimativa da função renal devem ser conduzidas para que o real impacto desses achados na função renal dos pacientes após a cirurgia seja bem estudada.
Abstract Background: Radical nephrectomy has been the most common treatment for renal cell carcinoma. Besides, the preservation of the renal function after surgery has been a worrisome factor. Patient’s survival rates are increasing, along with the detection of small, incidental and asymptomatic lesions. Several studies have attempted to identify predictors of postoperative renal function, yet few assessed the findings of non-neoplastic renal parenchyma. Objectives: The study aims at: 1) describing the findings in non-neoplastic renal parenchyma found in nephrectomy specimens, 2) correlating these findings with postoperative renal function and 3) correlating these changes with the original pathology report. Materials and Methods: The specimens of two-hundred and sixty-two nephrectomies performed in adult patients for primary renal neoplasms at Hospital de Clinicas de Porto Alegre during the period of 2005 to 2009 were reviewed. The pathology report and electronic medical records of these patients were reviewed in a blinded fashion. A renal pathologist performed the histopathological review of the renal parenchyma slides. After that, in patients with clinical and laboratory data available, the alterations found were correlated with the renal function. Results: There was a predominance of male patients (57.6%) and caucasians (88%), with a mean age of 60 years. About 76% underwent radical nephrectomy and 70% of patients had tumor stage T1 or T2. The average tumor size was 6.0 cm and the most common histological type was clear renal cell carcinoma (67%). Hypertension, smoking, diabetes mellitus and obesity were found in respectively 53%, 32%, 19% and 9% of the patients. Only 10% of the cases whose slides were reviewed had no abnormalities. The vascular changes were the most frequent, and of these the most common was atherosclerosis. Diabetic sclerosis was present in four patients. Renal function variations between the pre and postoperative estimates showed no significant difference between the groups of patients with and without parenchymal abnormalities. Significant difference was found between the pre and postoperative creatinine in both groups and the Cockroft-Gault formula in the group with changes (p<0.001). Only 50 original pathology reports described non-neoplastic abnormalities. Conclusions: The study showed that general pathologists are unaware of the recent inclusion of the non-neoplastic findings in the primary renal neoplasm’s protocols. Therefore, we believe that the evaluation of these findings should be encouraged. In addition, future prospective investigations monitoring patients over a long period of time and using more accurate ways of estimating renal function on postoperative period should be performed.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/56664
Arquivos Descrição Formato
000857355.pdf (946.3Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.