Repositório Digital

A- A A+

Análise da aptidão funcional de idosas entre 60 e 79 anos ativas e não ativas fisicamente

.

Análise da aptidão funcional de idosas entre 60 e 79 anos ativas e não ativas fisicamente

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Análise da aptidão funcional de idosas entre 60 e 79 anos ativas e não ativas fisicamente
Autor Santos, Thais Chiapinotto dos
Orientador Gonçalves, Andréa Krüger
Data 2012
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. Curso de Educação Física: Bacharelado.
Assunto Atividade física
Idoso
Resumo A atividade física (AF) pode ser um meio para equilibrar ou minimizar o impacto das alterações biológicas, sociais, psicológicas e funcionais que ocorrem com o envelhecimento. O objetivo da pesquisa foi analisar o nível de aptidão funcional de mulheres entre 60 até 79 anos ativas e não ativas fisicamente. Fizeram parte da amostra, por acessibilidade, idosas voluntárias com idade entre 60 e 69 anos (n = 22) divididas em dois grupos: GR1(ativas) e GR3 (não ativas); idosas com idade entre 70 até 79 anos (n = 15) divididas em dois grupos: GR2 (ativas) e GR4 (não ativas). A aptidão funcional foi avaliada por meio da bateria de testes da AAHPERD composta por cinco testes: agilidade e equilíbrio dinâmico (AGIL); coordenação (COO); flexibilidade (FLEX); resistência de força (RESISFOR) e resistência aeróbia geral (RAG). Os resultados dos testes foram classificados em cinco categorias de acordo com a tabela normativa da AAHPERD: muito fraco, fraco, regular, bom e muito bom O tratamento estatístico foi descritivo, mediante a frequência e percentagem obtidas pelo programa SPSS. O teste “t” para amostras independentes, com nível de significância de 95% foi aplicado para verificar as diferenças da aptidão funcional entre os grupos GR1 e GR3; GR2 e GR4. De modo geral, a classificação encontrada através do Índice de Aptidão Funcional Geral (IAFG) foi: GR1=Bom (38,5%) e GR2=Fraco (50%). Apesar dos grupos GR1 e GR2 serem de idosas ativas, percebe-se o declínio da aptidão funcional pela influência da idade. Entre o GR1 e GR3, foi encontrada diferença estatística significativa nos resultados dos testes de RESISFOR e AGIL. Entre o GR2 e GR4 foi encontrada diferença estatística significativa no teste de RESISFOR. A AF parece influenciar positivamente a manutenção de força, tanto para idosas mais jovens (60-69 anos) quanto para idosas mais velhas (70- 79 anos). Sugerem-se novos estudos, com um número maior de participantes e também a utilização de dados qualitativos que incluam a percepção do idoso ao executar as suas atividades diárias.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/61392
Arquivos Descrição Formato
000865376.pdf (535.6Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.