Repositório Digital

A- A A+

Há outro trabalho na "outra economia"? : a relação dos trabalhadores com o trabalho na economia solidária

.

Há outro trabalho na "outra economia"? : a relação dos trabalhadores com o trabalho na economia solidária

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Há outro trabalho na "outra economia"? : a relação dos trabalhadores com o trabalho na economia solidária
Autor Cruz, Thales Speroni Pereira da
Orientador Holzmann, Lorena
Data 2012
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Sociologia.
Assunto Ação social
Economia solidária
Porto Alegre, Região Metropolitana de (RS)
Relações de trabalho
Sociologia do trabalho
Trabalho e trabalhadores
[en] Relationship with labour
[en] Social action
[en] Social experience
[en] Solidarity economy
Resumo A realidade social perdeu sua unidade, sendo tarefa do ator construir a coerência da sua ação em um mundo que não possui centro. Este diagnóstico da modernidade, presente na sociologia da experiência, faz com que a análise volte-se para a compreensão do modo como os atores atuam em meio a esse social heterogêneo. Considerando a economia solidária um caso privilegiado desse processo, esta investigação teve como objetivo compreender a relação com o trabalho nessas práticas. Deste modo, procurou-se contribuir para o debate em torno da questão: há outro trabalho na “outra economia”? O modelo analítico desenvolvido, fundamentado na perspectiva de François Dubet, considerou que a relação com o trabalho na economia solidária é atravessada por três dimensões: a do projeto de economia solidaria (seus princípios e expectativas); a dos requerimentos de eficácia da atividade produtiva; e a da luta por autonomia (entendida como o anseio do ator em conformar uma relação com o trabalho permeada por identificação subjetiva e reconhecimento dos demais). A tese central defendida foi a de que a relação com o trabalho na economia solidária é caracterizada por uma dupla pluralidade, tanto das distintas dimensões e dos sentidos a elas vinculados, como das formas como os atores articulam tais significações para compor a sua relação com o trabalho. No intuito de testar essa tese, realizou-se um estudo empírico em três empreendimentos da região metropolitana de Porto Alegre, de diferentes segmentos econômicos (metalúrgico, reciclagem e confecção). Os procedimentos metodológicos desenvolvidos centraram-se em 34 entrevistas semidiretivas em profundidade, fundamentadas na articulação dos pressupostos metodológicos da entrevista compreensiva de Kaufmann e das bases da entrevista episódica de Flick. Os resultados do estudo empírico evidenciaram a capacidade interpeladora das três dimensões, ao mesmo tempo em que expressaram a não redutibilidade dos trabalhadores a nenhuma delas. Mesmo que os resultados desta dissertação não permitam afirmações contrastantes sobre a existência (ou não existência) de outro trabalho na “outra economia”, esta investigação oferece subsídios relevantes para o debate acerca dessa problemática. Por um lado, o estudo das diferentes dimensões da relação com o trabalho apontou para a presença de distintas barreiras para a realização do possível caráter alternativo do trabalho na economia solidária: 1) a variedade de obstáculos produtivos nos empreendimentos e a correlata necessidade de um esforço compensatório dos trabalhadores; 2) a incongruência entre o projeto de economia solidária e as vivências cotidianas dos trabalhadores; 3) e, por fim, a recorrência de concepções negativas de si, que restringem a luta por autonomia. Por outro lado, por meio da tipologia da relação com o trabalho na economia solidária, baseada nos diferentes modos de como os atores articulam os sentidos ligados às distintas dimensões, foi possível identificar a existência de seis tipos: o de conservação, o de filiação, o centrado no ofício, o pessoalizado, o gerencial e o engajado. A presença desses diferentes tipos de relação com o trabalho destaca a atividade de atores plurais em contextos, também eles, plurais, o que evidencia a inadequação de duas figuras redutoras: a que mitifica o trabalhador ao supor um vínculo integral com o projeto de economia solidária e a que o reduz à procura emergencial pela sobrevivência.
Abstract Social reality has lost its unity. As a result, actors are now tasked with building coherence of action in a world that has no center. This diagnosis of modernity, present in the sociology of experience, places the focus of analysis on developing an understanding of how actors act in the midst of social heterogeneity. By focusing on the solidarity economy, a good example of the phenomenon mentioned, the research objective here was to understand the relationship between the labourer and his/her labour, within the solidarity economy. As such, the goal of this dissertation is to contribute to the debate surrounding the question: is there other labour in the "other economy"? The analytical model developed here, based on the perspective of François Dubet, argues that the relationship with labour in the solidarity economy possesses three dimensions: the project of solidarity economy (its principles and expectations), the requirements of the effectiveness of the productive activity, and the struggle for autonomy (understood as the actor’s desire to conform a relationship with the labour permeated by subjective identification and recognition of others). The central thesis defended is that the relationship with labour in the solidarity economy is characterized by a dual plurality; the three dimensions and the meanings related to them and the ways in which actors articulate these significations to compose their relationship with labour. In order to test this proposition, an empirical study was carried out on three enterprises in the metropolitan area of Porto Alegre, in different economic segments (metallurgy, recycling, and sewing). The methodological procedures developed in this project focused on 34 semi-directive, in-depth interviews, based on the articulation of the methodological suppositions of Kaufmann’s comprehensive interview and the foundations of Flick’s episodic interview. The results demonstrate not only the interpelative capacity of all three dimensions, but also that labourers within the solidarity economy are not reducible to any single dimension. Even if the results of this dissertation do not allow for contrasting statements concerning the existence (or non-existence) of other labour in the "other economy", this research does provide relevant contributions to the debate on the proposed problem. On one hand, the study of the various dimensions of the relationship with labour points out the presence of three unique barriers to the realization of the possible alternative character of labour in the solidarity economy. One, a variety of obstacles to production within the enterprise that the labourer must overcome through enhanced efforts. Two, the incongruity between the solidarity economy project and the worker’s everyday experiences. Lastly, three, the recurrence of negative conceptions of oneself, which restrict the struggle for autonomy. On the other hand, by means of a typology of the relationship with labour in the solidarity economy that is based on the different ways of how actors articulate the meanings attached to the three dimensions, it was possible to identify the existence of six types of relation with labour: conservation, affiliation, centering on the métier, focus on personal sociability, management, and engagement. The existence of these different types of relationship with labour point out the activity of plural actors in contexts, likewise, plural, which highlight the inadequacy of two reducing figures: the mythification of the worker to assume an integral bond with the solidarity economy project and the reduction of the actor to a struggle for survival.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/66297
Arquivos Descrição Formato
000868531.pdf (1.999Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.