Repositório Digital

A- A A+

O trabalho na perspectiva da atividade : dos paradoxos da gestão à gestão paradoxal

.

O trabalho na perspectiva da atividade : dos paradoxos da gestão à gestão paradoxal

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título O trabalho na perspectiva da atividade : dos paradoxos da gestão à gestão paradoxal
Outro título The work under the activity perspective: from management paradoxes to paradoxical management
Autor Neves, José Mário d'Avila
Orientador Fonseca, Tania Mara Galli
Data 2013
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Psicologia. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional.
Assunto Filosofia da diferença
Psicologia organizacional
Trabalho
[en] Clinic of activity
[en] Ergology
[en] Philosophy of difference
[en] Transversality
[en] Work management
[en] Work organization
[en] Work psychology
Resumo Esta é uma tese que problematiza o trabalho na perspectiva da atividade a partir da articulação dos conceitos da Filosofia da Diferença com as formulações da Ergologia e da Clínica da Atividade. Por isso, tem um forte acento conceitual, mas que considera os conceitos não como abstrações ou generalizações e sim como ferramentas para pensar o trabalho. No plano metodológico, desenvolve duas importantes linhas de análise: uma, que leva à desnaturalização do “objeto trabalho” e examina o delineamento das forças que presidem a emergência do trabalho como uma produção da modernidade e, outra, que conduz à discussão do método cartográfico, através da problematização do plano das singularidades como a “escala” paradoxal a partir do qual esse método opera. A análise do trabalho na contemporaneidade permite identificar que a gestão capitalista encontra-se diante de um importante impasse: se, por um lado, o capital precisa investir na produção de subjetividade, como forma de intensificar a produção de valor do trabalho (produção de valor que depende de conhecimento, tecnologia, engajamento subjetivo e inventividade); por outro, esse investimento no incremento da potência de criação de valor traz consigo o risco da perda do domínio do capital sobre o trabalho. Na problematização desse impasse, vemos abrir-se “uma brecha” no discurso hegemônico no campo do trabalho (que ainda é taylorista), que dá a ver uma distinção até então invisível – distinção entre o trabalho prescrito e o trabalho realizado –, permitindo evidenciar uma “outra brecha” (a que existe entre o prescrito e o realizado): na qual emerge o conceito de atividade. A análise do trabalho na perspectiva da atividade propiciou um grande salto conceitual, ao possibilitar a consideração do plano do virtual, permitindo cartografar a dinâmica do processo de “composição” da atividade em um campo problemático de tensões constituído por dois planos: o dos “estratos” e o “Fora”. Nesse campo problemático de tensões, foi possível descrever o processo de agenciamento de singularidades através do qual pode emergir uma dimensão intermediária molecular, como um “espaço público” ou um “bloco de espaço-tempo rizomático”, que possibilita a instauração de uma regulação coletiva imanente e de um espaço de invenção no trabalho. Esta formulação conceitual permitiu evidenciar as duas formas polarizadas de gestão. Em um polo, uma gestão centrada em tecnologias disciplinares, atuando predominantemente como um obstáculo à instauração dessa dimensão intermediária molecular. No polo oposto, uma gestão que opera procurando constituir e dar consistência a essa dimensão intermediária molecular, na qual a regulação coletiva possibilita a emergência de um trabalho inventivo. A incorporação da noção de transversalidade, como a definição da operação que funda esta segunda forma de gestão, propiciou a formulação de uma concepção de gestão transversalizante, como uma política que propõe um processo que busca a criação de um espaço-tempo rizomático não confinado às segmentaridades determinadas pelos valores e pelos âmbitos de autoridade hegemônicos.
Abstract This thesis problematizes the work under the perspective of activity and from the articulation of Philosophy of Difference concepts with formulations of Ergology and Clinic of Activity. Therefore, it has a strong conceptual accent, but considers concepts not as abstractions or generalizations but as tools to think the work. In the methodological plan, it develops two important lines of analysis: one that leads to the denaturalization of the “work object” and examines the delimitation of forces presiding the emergence of work as a production of modernity and, other, that leads to the discussion about the mapping method, through the problematization of the plan of singularities as the paradoxical “scale” from which this method operates. The analysis of work in contemporaneity enables to identify that capitalist management is facing an important impasse: if, by one side, the capital needs to invest in the production of subjectivity, as a way to intensify the value production of work (value production that depends on knowledge, technology, subjective engagement and inventiveness); on the other hand, this investment in increment of value creation power brings with it the risk of losing the domination of capital over the work. In the problematization of this impasse, we see a “gap” opening in the hegemonic discourse in the work field (that is still taylorist), that turns visible an invisible distinction till then – distinction between the prescribed work and the performed work – allowing to evidence another “gap” (the one existing between prescribed and performed): in which the concept of activity emerges. The analysis of work under the perspective of activity propitiated a large conceptual leap, by allowing the consideration of the virtual plan, allowing to map the dynamic of the “composition of activity” process in a problematic field of tensions constituted by two plans: the one of “strata” and the “Outside”. In this problematic field of tensions, it was possible to describe the process of assemblage of singularities, through which a molecular intermediate dimension may emerge, such as a “public space” or a “rhizomatic time-space block”, that allows the installation of an immanent collective regulation and a space of work invention. This conceptual formulation enabled to evidence the two polarized ways of management. In one pole, a management centered in disciplinary technologies, predominantly acting as an obstacle to the introduction of this molecular intermediate dimension. In the opposite pole, a management that works trying to constitute and give consistency to this molecular intermediate dimension, in which the collective regulation enables the emergence of an inventive work. The incorporation of the transversality notion, as the definition of the operation founding this second way of management, enabled the formulation of a conception of transverse management, as a policy that proposes a process that seeks the creation of a rhizomatic time-space unconfined by the segments determined by values and hegemonic spheres of authority.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/77923
Arquivos Descrição Formato
000896289.pdf (1.741Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.