Repositório Digital

A- A A+

Proatividade do enfermeiro no gerenciamento do cuidado

.

Proatividade do enfermeiro no gerenciamento do cuidado

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Proatividade do enfermeiro no gerenciamento do cuidado
Autor Ferreira, Gimerson Erick
Orientador Dall'Agnol, Clarice Maria
Data 2013
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem.
Assunto Enfermagem
Gestão em saúde
Liderança
Papel do profissional de enfermagem
Serviço hospitalar de enfermagem
[en] Health management
[en] Hospital
[en] Leadership
[en] Nurse’s role
[en] Nursing
[en] Nursing service
[es] Enfermería
[es] Gestión em salud
[es] Liderazgo
[es] Rol de la enfermera
[es] Servicio de enfermería en hospital
Resumo As transformações no cenário contemporâneo da enfermagem têm impulsionado a busca crescente por ações proativas no gerenciamento do cuidado, as quais permitam potencializar o desenvolvimento de melhores práticas. O agir proativo do enfermeiro revela-se elemento propulsor na articulação e na efetividade de ações estratégicas, fato que demanda maior aprofundamento do tema abordado. Assim, foi desenvolvido um estudo descritivoexploratório, qualitativo, com o objetivo de conhecer percepções de enfermeiros acerca do agir proativo no trabalho e das possíveis repercussões deste modo de agir no gerenciamento do cuidado. O projeto foi homologado no Comitê de Ética em Pesquisa do campo de estudo sob o registro 13-0054 com adequações à Resolução 466/12 do CNS – Conselho Nacional de Saúde. A coleta de dados ocorreu entre maio e junho de 2013, por meio da Técnica de Vinhetas com 35 enfermeiros de unidades de internação cirúrgica de um hospital universitário. As informações foram submetidas à análise de conteúdo, resultando nos temas (Re)ação na zona de conforto e liderança: sentidos para a (des)acomodação e Repercussões do fazer/deixar acontecer no gerenciamento do cuidado. A proatividade do enfermeiro foi entendida como uma maneira de sair da zona de conforto e visualizar oportunidades e ações antecipatórias que o permitam fazer acontecer em situações que visem melhorias para o cuidado. Essa condição demonstrou a necessidade do enfermeiro agir por antecipação, orientando-se para a mudança e sendo propositivo ao planejar e organizar suas ações com vistas a potencializar as articulações que desenvolve. Em contrapartida, o modo não proativo de agir foi considerado atitude incongruente ao enfermeiro que gerencia o cuidado, visto que a complexidade do seu trabalho demanda posicionamento centrado em práticas de excelência. Houve destaque às associações feitas entre proatividade e processo de liderança, revelando o caráter ambivalente deste processo, que tanto pode representar um estímulo como um entrave ao desenvolvimento de ações proativas. A proatividade do líder de equipe foi considerada inerente ao perfil requerido no trabalho contemporâneo de enfermagem, sendo o enfermeiro com potencial para liderar proativamente percebido como modelo de conduta que atende a expectativas organizacionais e da equipe. Também, foram apresentadas repercussões do agir proativo do enfermeiro no gerenciamento do cuidado: impulsiona o desenvolvimento organizacional, possibilita um cuidado que vai “além da doença” e que confere maior qualidade, segurança e satisfação ao usuário, fomenta o agir proativo e estimula cooperação, liderança e aprendizado na equipe e proporciona ao enfermeiro maior realização, reconhecimento e melhor performance. Confirmam-se os pressupostos de que o enfermeiro tem possibilidades e potencialidades de ser proativo em suas ações, sendo capaz de sair da zona de conforto e articular-se junto à equipe em prol de melhores práticas, e de que estas ações, quando exercidas de modo proativo, repercutem favoravelmente no gerenciamento do cuidado. Com a pesquisa, propõe-se subsidiar reflexões que impulsionem a busca por modos proativos de agir no gerenciamento do cuidado. Para tanto, presume-se a necessidade de sair da zona de conforto e de nortear-se por ações compartilhadas e dialógicas que possibilitem ao enfermeiro fazer acontecer.
Abstract The transformations in the contemporary scenario of nursing have driven the search for proactive actions in the management of care, which may enhance the development of better practices. Proactive action of the nurse turns out to be propellant element in the articulation and in the effectiveness of strategic actions, which demand greater deepening the theme addressed. Thus it was developed a descriptive-exploratory study, qualitative, aiming to meet nurses' perceptions about proactive action at work and of the possible consequences of this action in thee care management. The project was approved in the Committee of Ethics in Research in the field of study under the record 13-0054 with adjustments to Resolution 466/ 12 of the NHC – National Health Council. The data collection took place between May and June 2013, through the Vignette Technique with 35 nurses of the inpatient surgical unit of a university hospital. The information has been subjected to content analysis, resulting in the themes (Re)action in the comfort zone and leadership: directions for the (dis)arrange and Repercussions of make/let it happen in the management of care. The proactivity of the nurse was understood as a way out of the comfort zone and show opportunities and anticipatory responses to permit actions do happen in situations aimed at improvements for care. This condition has shown the need of nurses’ act by anticipation, being orienting to change and being intentional to plan and organize their actions to strengthen the joints that develops. On the other hand, not proactive mode of acting was considered incongruous attitude to the nurse who manages the care, since the complexity of their work placement demand centered on best practices. There were highlighted the associations made between proactivity and leadership process, revealing the ambivalent character of this process, which can both represent a stimulus as a barrier to the development of proactive actions. The proactivity of the team leader was considered inherent to the required profile in the contemporary work of nursing, where the nurse with the potential to lead proactively perceived as role model that meets organizational and team expectations. Also, the act proactive repercussions were presented of the care management nurse: he boosts organizational development, he enables a caution that goes "beyond the illness" and that gives greater quality, safety and satisfaction to the patient, promoting and stimulating cooperation proactive action, leadership and learning in the team and providing an orderly crowning achievement, recognition and better performance. The assumptions are confirmed that the nurse has possibilities and potentials to be proactive in their actions, being able to get out of the comfort zone and link up with the team for best practices, and that these actions, when performed proactively impact favorably on care management. With the research, it is proposed to subsidize reflections that boost the search for proactive ways to act in the management of care. To this end, it is assumed the need to get out of the comfort zone and to be guided by shared and dialogical actions which allow the nurse to make it happen.
Resumen Las transformaciones en el escenario contemporáneo de la enfermería ha impulsado la búsqueda creciente por acciones proactivas en el gerenciamiento del cuidado, las cuales permitan potencializar el desarrollo de mejores prácticas. El actuar proactivo del enfermero se revela como elemento propulsor en la articulación y en la efectividad de acciones estratégicas, hecho que demanda mayor profundidad del tema abordado. Así, fue desarrollado un estudio descriptivo-exploratorio, cualitativo, con el objetivo de conocer percepciones de enfermeros acerca de la acción proactivo en el trabajo y de las posibles repercusiones de este modo de actuar en el gerenciamiento del cuidado. El proyecto fue homologado en el Comité de Ética en Investigación del campo de estudio sobre el registro 13-0054 con adecuaciones a la Resolución 466/12 del CNS – Consejo Nacional de Salud. La recolección de datos se dio entre mayo y junio de 2013, por medio de la Técnica de Viñetas con 35 enfermeros de unidades de internación quirúrgica de un hospital universitario. Las informaciones fueron sometidas al análisis de contenido, resultando en los temas (Re)acción en la zona de confort y liderazgo: sentidos para la (des)acomodación y Repercusiones del hacer/dejar acontecer en el gerenciamiento del cuidado. La proactividad del enfermero fue entendida como una manera de salir de la zona de confort y visualizar oportunidades y acciones anticipatorias que le permitan hacer acontecer en situaciones que visen mejorías para el cuidado. Esa condición demostró la necesidad del enfermero actuar por anticipación, orientándose para el cambio y siendo propositivo al planear y organizar sus acciones para potencializar las articulaciones que desarrolla. En contrapartida, el modo no proactivo de actuar fue considerado actitud incongruente al enfermero que gerencia el cuidado, visto que la complejidad de su trabajo demanda posicionamiento centrado en prácticas de excelencia. Hubo destaque a las asociaciones hechas entre proactividad y proceso de liderazgo, revelando el carácter ambivalente de este proceso, que tanto puede representar un estímulo como una traba al desarrollo de acciones proactivas. La proactividad del líder del equipo fue considerada inherente al perfil requerido en el trabajo contemporáneo de enfermería, siendo el enfermero con potencial para liderar proactivamente percibido como modelo de conducta que atiende las expectativas organizacionales y del equipo. También, fueron presentadas repercusiones del actuar proactivo del enfermero en el gerenciamiento del cuidado: impulsa el desarrollo organizacional, posibilita un cuidado que va “más allá de la enfermedad” y que confiere mayor calidad, seguridad y satisfacción al usuario, fomenta el actuar proactivo y estimula cooperación, liderazgo y aprendizaje en el equipo y proporciona al enfermero mayor realización, reconocimiento y mejor performance. Se confirman los presupuestos de que el enfermero tiene posibilidades y potencialidades de ser proactivo en sus acciones, siendo capaz de salir de la zona de confort y articularse junto al equipo en pro de mejores prácticas, y de que estas acciones, cuando ejercidas de modo proactivo, repercutan favorablemente en el gerenciamiento del cuidado. Con la investigación, se propone subsidiar reflexiones que impulsen la búsqueda por modos proactivos de actuar en el gerenciamiento del cuidado. Para eso, se presume la necesidad de salir de la zona de confort y de guiarse por acciones compartidas y dialógicas que posibiliten al enfermero hacer acontecer.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/85461
Arquivos Descrição Formato
000909562.pdf (3.115Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.