Repositório Digital

A- A A+

O cuidado ao usuário de crack : análise da concepção de território de trabalhadores de um CAPS AD

.

O cuidado ao usuário de crack : análise da concepção de território de trabalhadores de um CAPS AD

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título O cuidado ao usuário de crack : análise da concepção de território de trabalhadores de um CAPS AD
Outro título Care to crack users : an analysis of the concept of territory of workers CAPS AD
Outro título El cuidado al consumidor de crack : análisis de la concepción de territorio de trabajadores de un CAPS AD
Autor Silva, Aline Basso da
Orientador Pinho, Leandro Barbosa de
Data 2014
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem.
Assunto Centro de atenção psicossocial
Cocaína crack
Desinstitucionalização
Drogas ilícitas
Enfermagem psiquiátrica
Saúde mental
[en] Deinstitutionalization
[en] Mental health
[en] Nursing
[es] Desinstitucionalización
[es] Enfermería
[es] Salud mental
Resumo O principal objetivo deste estudo é analisar a concepção de território dos trabalhadores de um CAPS AD, buscando identificar as ações em saúde mental desenvolvidas para o usuário de crack no território e conhecer os desafios, as potencialidades e as dificuldades para o cuidado do usuário de crack no território. O referencial teórico-metodológico utilizado é o territóriorede de Marcelo Lopes de Souza, que se caracteriza como uma rede que articula dois ou mais territórios contínuos. Observa-se a superposição de vários territórios, com formas variadas e limites não coincidentes de diversos territórios, podendo haver diversas territorialidades que se complementam ou se contradizem, dando um caráter de diferentes relações de poder e movimento. Os dados foram coletados por meio de uma entrevista aberta, realizada com oito profissionais que compõem a equipe de saúde mental do CAPS AD de Viamão/RS. Foi utilizada a análise temática para a análise dos dados. Os resultados apontam uma concepção de território dinâmica e complexa, que envolve, além do espaço geográfico, o espaço social dos usuários, o cotidiano, seus desejos e vivências. O território do uso do crack é apresentado para além do uso da substância e da dependência química, sendo um espaço rico de simbolismo, o lugar onde o usuário constrói sua identidade, suas escolhas e suas histórias de vida. Trata-se também de um território diverso e descontínuo, constituído por diferentes territórios: os serviços de saúde, a rede intersetorial, a rua, a casa e o espaço por onde o usuário transita. Esses territórios se complementam e se contradizem, e o desafio é a articulação entre eles, formando uma rede, uma teia complexa de relações. Tendo como norte os conceitos de território, são trabalhadas questões de gestão do cuidado no território, abordando o planejamento e a gestão do espaço geográfico. Observa-se a necessidade da territorialização para a efetivação de ações dos serviços substitutivos, bem como para a organização da rede intersetorial. Alguns trabalhadores apontam que, para cuidar no território, é preciso delimitá-lo e conhecê-lo, incorporando práticas direcionadas ao território de “uso” da população. Por fim, são abordadas estratégias de cuidado no território, como as equipes itinerantes, as visitas domiciliares, a clínica ampliada e o território de trabalho ser o mesmo da residência do profissional. Espera-se que este estudo possa trazer subsídios para repensar o cuidado no campo psicossocial, cuidado esse que vai além dos muros e das instituições, sendo refletido e organizado a partir do espaço em que as pessoas vivem.
Abstract The main goal of this study is to analyze the concept of worker’s territory in a CAPS AD, seeking to identify the actions on mental health developed for crack users in the territory and to know the challenges, the potential and the difficulties in the caring of a crack user in the territory. The theoretical and methodological framework used is network-territory, from Marcelo Lopes de Souza, which is characterized as a network that links two or more continuous territories. We note the superposition of several territories, with different shapes and noncoincident boundaries of various territories. There may be several territorialities, which complement or contradict each other, giving a character of different power and movement relations. Data were collected through an open interview, conducted with eight professionals who make up the mental health team of CAPS AD, in the city of Viamão/RS. Thematic analysis was used for the data analysis. The results indicate a dynamic and complex conception of territory, which involves, beyond geographical space, the social space of users, daily life, their desires and experiences. The territory of crack use is presented here beyond the ideas of substance use and chemical dependency. It’s actually a rich space of symbolism, where the users build their identity, their choices and their life stories. It is also a diverse and discontinuous territory, consisting of different territories: health services, intersectoral network, the street, the house and the space where the user moves. These territories complement and contradict each other, and the challenge is the link between them, making a network, a complex web of relations. Having as a direction the concepts of territory, questions of management of the caring territory are discussed, addressing the planning and management of geographic space. We note the need of territorialization toward the effective of actions by substitute services, as well as for the organization of intersectoral network. Some workers suggest that, to take care of the territory, it’s necessary to enclose and know the latter, incorporating practices directed at the territory of "use" of the population. Finally, care strategies in the territory are addressed, such as itinerant teams, home visits, expanded clinic and the territory of labor being the same of the professional residence. We hope that this study may provide support for rethinking care in the psychosocial field, care which goes beyond the walls and the institutions, being reflected and organized from the space in which people live.
Resumen El objetivo principal de este estudio es analizar la concepción de territorio de los trabajadores de un CAPS AD, buscando identificar las acciones en salud mental desarrolladas para el usuario de crack en el territorio y conocer los desafíos, las potencialidades y las dificultades para el cuidado del usuario de crack en el territorio. El referencial teórico-metodológico es el territoriored de Marcelo Lopes de Souza que se caracteriza como una red que articula dos o más territorios continuos. Se puede observar la superposición de muchos territorios, con formatos variados y límites no coincidentes, pudiendo haber diversas territorialidades que se complementan o se contradicen. Los datos fueran recolectados a través de una entrevista abierta, realizada con ocho profesionales que componen el equipo de salud mental de CAPS AD de Viamão/RS. Para el análisis de los datos, se utilizó un análisis temático. Los resultados indican una concepción de territorio dinámica y compleja, que envuelve, además del espacio geográfico, el espacio social para los usuarios, el cotidiano, sus deseos y sus experiencias. El territorio del uso de crack es presentado para además de la dependencia química, siendo un espacio rico de simbolismo, el sitio del usuario, que construye su identidad, sus preferencias y su historia de vida. También reflejase un territorio diverso y descontinuo, apuntando los diferentes territorios, que son: los servicios de salud, la red intersectorial, la calle, la casa, el espacio por donde el usuario se mueve. Estos territorios se complementan y se contradicen, siendo el desafío la articulación entre ellos, formando una red, una tela compleja de relaciones. Teniendo como norte los conceptos de territorio, se trabajan las cuestiones de gestión del cuidado en el territorio, versando la planificación y la gestión del espacio geográfico. Se percibe la necesidad de la territorialización para efectivar acciones de los servicios substitutivos, así como, la organización de la red intersectorial. El trabajador señala para cuidar del territorio es necesario delimitarlo y conocerlo, incorporando practicas dirigidas a él de “uso” de la población. Por último, son tratadas estrategias de cuidado en el territorio, como los equipos itinerantes, las visitas domiciliares, la clínica ampliada y el territorio de trabajo es el mismo de residencia del profesional. Se espera que este estudio pueda proporcionar subsidios para repensar el cuidado en el campo psicosocial, cuidado ese que va más allá de los muros de las instituciones, siendo reflejado y organizado desde el espacio que vive la gente.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/95385
Arquivos Descrição Formato
000918109.pdf (1.102Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.