Repositório Digital

A- A A+

George Eliot, o nome na capa de The mill on the floss

.

George Eliot, o nome na capa de The mill on the floss

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título George Eliot, o nome na capa de The mill on the floss
Autor Costa, Monica Chagas da
Orientador Zilberman, Regina
Data 2016
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. Programa de Pós-Graduação em Letras.
Assunto Autoria
Eliot, George, 1819-1880. The mill on the floss : Crítica e interpretação
Literatura inglesa
[en] Authorship
[en] Evans, Mary Ann
Resumo Este trabalho tem como objetivo analisar o conceito de autoria no contexto da obra de George Eliot. Para realizá-lo, definiram-se dois aspectos relevantes da atividade do autor. O primeiro deles é sua existência empírica, situada dentro de determinadas práticas, como apontado por Martha Woodmansee, Michel Foucault, Marisa Lajolo e Regina Zilberman. O segundo, seu funcionamento intratextual, como instância discursiva, destilado das teorias enunciativas de Emile Benveniste e das proposições teóricas de Wayne Booth, Umberto Eco e Wolfgang Iser. A partir dessas elaborações, foram desenvolvidas as análises, de um lado, da trajetória de Mary Ann Evans (George Eliot) e seu papel como escritora do final do século XIX, e, de outro, do romance The Mill on the Floss, obra de 1860, na qual se percebe o autor George Eliot em funcionamento. Pode-se notar, através da reconstrução da vida da autora, sua reflexão própria sobre o significado da prática da autoria como missão social. É também notável, através de seu romance, a atuação de uma figura autoral que organiza o texto e encaminha a interpretação de seu leitor para determinadas direções.
Abstract This work’s objective is to analyze the concept of authorship in the context of George Eliot’s production. In order to do so, two relevant aspects of the author’s activity were defined. The first one is its empirical existence, located within certain practices, as pointed by Martha Woodmansee, Michel Foucault, Marisa Lajolo and Regina Zilberman. The second one, its intratextual operation, as a discoursive instance, distilled from Emile Benveniste’s enunciative theories and from the theoretical propositions of Wayne Booth, Umberto Eco and Wolfgang Iser. These elaborations allowed the development of two analyses: on one hand, of Mary Ann Evans’ (George Eliot’s) trajectory and her role as a late nineteenth century writer, and, on the other, of the novel The Mill on the Floss (1860), in which George Eliot’s authorship is perceived at work. It is noticeable, through the reconstruction of the author’s life, her own reflection on the meaning of authorial practice as a social mission. It is also remarkable, through her novel, the performance o an author figure which organizes the text and directs its reader’s interpretations to determined directions.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/143597
Arquivos Descrição Formato
000996527.pdf (1.103Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.