Repositório Digital

A- A A+

O comportamento da taxa de câmbio brasileira no período 1999/2015 : a lógica, os determinantes e os impactos

.

O comportamento da taxa de câmbio brasileira no período 1999/2015 : a lógica, os determinantes e os impactos

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título O comportamento da taxa de câmbio brasileira no período 1999/2015 : a lógica, os determinantes e os impactos
Autor Gasperi, Eduardo de
Orientador Ferrari Filho, Fernando
Data 2016
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Ciências Econômicas. Curso de Ciências Econômicas.
Assunto Economia
[en] Exchange rate overappreciation
[en] Exhange-rate
[en] Fear of floating
[en] Original sin
Resumo Em janeiro de 1999, o então diretor do Banco Central do Brasil, Francisco Lopes, anunciou o abandono da âncora cambial e a adoção imperativa do regime de livre flutuação no País. Em conjunto com o regime de metas de inflação e metas fiscais, definia-se a nova política macroeconômica brasileira. Sob o regime de câmbio flutuante, o esperado seria uma maior volatilidade da taxa de câmbio. Não foi o que aconteceu, embora de 1999 a 2003 a taxa de câmbio efetiva tenha se depreciado, a partir de 2003 teve início uma prolongada e quase contínua trajetória de apreciação, apenas interrompida momentaneamente durante a crise do subprime, gradualmente revertida a partir de 2011 e por fim, abruptamente depreciada em 2015. Esse trabalho tem como objetivo principal buscar explicações para tal comportamento pouco errático da taxa de câmbio. Considera-se a hipótese de que, por características próprias a alguns países em desenvolvimento, uma depreciação cambial pode ser indesejável e, por isso, deliberadamente evitada. Leva-se em consideração ainda a hipótese de que fatores estruturais decorrentes da abertura financeira e da doença holandesa contribuam, respectivamente, para crises de balanço de pagamentos e para a manutenção do real em patamares relativamente apreciados. Além disso, compõe objetivo secundário a análise descritiva do comportamento da conta de transações correntes, índice de inflação (IPCA) e da indústria de transformação no período, buscando destacar o impacto do câmbio sob essas variáveis.
Abstract In January of 1999, the director of the Central Bank of Brazil at the time, Francisco Lopes, announced the end of the exchange-rate anchor and the mandatory adoption of the free floating exchange rate regime. Jointly with the inflation target regime and fiscal goals, the new Brazilian macroeconomic policy was settled. Under a free floating regime, the exchange rate was expected to be more volatile. It didn’t occur this way, although the effective exchange rate had depreciated from 1999 to 2003, after 2003 it took a long and almost continuous trajectory of appreciation, only interrupt momentarily during the subprime crises in 2009, gradually reverted after 2011 and, finally, abruptly depreciated in 2015. This study aims to present explanations to this not erratic behavior of the exchange rate. We consider the hypothesis that, by characteristics particular to some developing countries, a currency depreciation might be undesirable and, because of it, purposely avoided. We also consider the hypothesis that structural factors stemming from financial liberalization and from the Dutch disease contributed, respectively, to crises in the balance of payments and to maintain the Real in a relatively appreciated level. Furthermore, we descriptive analyzed the behavior of the current account, inflation index (IPCA) and manufacturing industry in the period, searching for impacts of the exchange-rate in these variables.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/148409
Arquivos Descrição Formato
001000005.pdf (827.3Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.