Repositório Digital

A- A A+

A gestão de pessoas com deficiência nas agências do Banco Betha : um estudo de caso

.

A gestão de pessoas com deficiência nas agências do Banco Betha : um estudo de caso

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A gestão de pessoas com deficiência nas agências do Banco Betha : um estudo de caso
Autor Gomes, Paulo Augusto
Orientador Antunes, Elaine di Diego
Co-orientador Brunetta, Nádia
Data 2010
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Administração. Curso de Administração.
Assunto Administração : Estudo de caso
Gestão de pessoas
Pessoas com deficiência
Resumo Com o aumento da realização de concursos públicos e dos postos de trabalho de um modo geral no Brasil, um tema tem se destacado: o cumprimento da Lei 8.213, a qual prevê que seja reservado um percentual das vagas para a contratação de pessoas com deficiência. Voltado para essa problemática, o presente estudo teve como foco principal identificar e compreender quais são as ações que estão sendo realizadas pela Gestão de Recursos Humanos do Banco Betha, antes, durante e após a contratação de pessoas com deficiência, destacando-se as ações afirmativas de inclusão de tais funcionários. Procurou-se também investigar a rede de agentes fiscalizadores do cumprimento da referida lei. Para tanto, optou-se pelo estudo de caso com uma abordagem do tipo qualitativa, por considerá-la como mais adequada ao objetivo proposto. Assim, foi aplicado questionário com questões (fechadas e abertas) a vinte seis pessoas, entre elas funcionários do Banco Betha, representantes da Gerência de Recursos Humanos do banco, pessoas com deficiência que trabalham em outras empresas públicas e representantes dos órgãos fiscalizadores do cumprimento da Lei 8.213. Os resultados apontaram para a necessidade de a instituição bancária pública aplicar de fato o seu modelo de gestão de recursos humanos, o qual abrange ações afirmativas no sentido de efetivar a real inclusão dos PCDs. Além disso, evidenciou o desejo dos funcionários de passar por cursos de sensibilização para saber como lidar com colegas PCDs. Mostrou também a vasta bibliografia existente que orienta as empresas com relação a esse processo. Por fim, sugere-se que sejam estudadas formas de se garantir que as pessoas com deficiência que desejam trabalhar possam estar seguras de que o direito garantido por lei de receber Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social seja mantido em casos de perda de emprego. Com isso, os PCDs não correrão o risco de ficar desasistidos e, consequentemente, não terão motivos para sentir receio de buscar uma colocação no mercado de trabalho formal, o que resultará em incentivo para que estes procurem qualificação profissional.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/30247
Arquivos Descrição Formato
000779704.pdf (539.4Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.